Cartao de Credito

Como funciona uma Dívida em Três Estágios

Uma pesquisa feita pela Anefac revelou que 77% dos brasileiros que possuem dívidas pretende usar o 13º salário para quitar os débitos pendentes acumulados no ano.

Em um primeiro momento, essa decisão parece bem acertada pois livraria o indivíduo de suas pendencias e permitindo que a pessoa fique com crédito no mercado novamente. Mas pagar as dívidas simplesmente, sem uma estratégia de ação posterior, pode ser prejudicial ao consumidor, é o que diz o especialista financeiro Marcelo Maron.

Isso acontece porque é preciso criar um hábito de não se endividar. Ou seja, não gastar mais do que se ganha mesmo em tempos de crise e escassez de dinheiro. Imagine como um regime. Não adianta ficar uma semana sem comer e emagrecer 3kg, se na semana seguinte, você comerá dobrado e ganhará ainda mais peso do que tinha.

Os Três Estágios da Dívida

Na concepção de Maron, existem diferenças para cada uma das dívidas e estas podem ser divididas em três estágios, separados em ordem de gravidade. O segundo deles é o mais difícil de conseguir negociação com o credor. Entenda cada um destes estágios:

Primeiro Estágio

Dívida

Dívida

Se o consumidor começou a se endividar, mas ainda não está com o nome sujo, podemos dizer que ele está no primeiro estágio da dívida.

Nesse ponto, o endividamento é menos prejudicial, pois a cobrança de juros não transformou o débito em uma enorme bola de neve impossível de ser parada. Assim, o ideal é que endividado use qualquer renda extra para quitar o que deve e evitar que o montante cresça cada vez mais.

É importante também evitar novas dívidas neste período a fim e evitar o descontrole futuro.

Segundo Estágio

A segunda fase se inicia quando o nome do devedor é incluído nos cadastros de proteção ao crédito.

Normalmente, a empresa credora começa a cobrar a dívida e, em muitos casos, envia propostas de negociação que são pouco atrativas para o consumidor. O especialista afirma que essas propostas funcionam como ferramenta para pressionar o endividado a pagar, mas que é necessário resistir a essa pressão para conseguir um acordo mais vantajoso.

Muitas das vezes, é possível recorrer a órgãos de defesa do consumidor e aproveitar a intermediação para conseguir alguma proposta que seja passível de cumprimento. No entanto, os bancos costumam ficar mais inflexíveis neste estágio.

Terceiro Estágio

O último estágio acontece quando o nome do consumidor está perto de ser excluído dos registros de inadimplência, ou seja, depois de quase 5 anos cadastrados nos serviços de proteção ao crédito.

Nessa fase, a empresa costuma aceitar propostas de negociação com até 90% de desconto, para não correr o risco de ficar sem receber o valor devido. Esse é um ótimo momento para fazer um acordo se sua dívida é antiga.

Entretanto, o melhor mesmo é não esperar até esse ponto para resolver o problema. Afinal, até aqui o cliente pode ter inúmeros outros problemas decorrentes de sua inadimplência e não é garantia nenhuma de que terá condições melhores. Quanto antes quitar, melhor.



Por: Emília Silva. Categoria: Dívidas // Tags: , , , , , , , ,

Não encontrou o que procurava?

Custom Search

Deixe um comentário!

Se você gostou do post, ou não, mas tem algo a comentar, por favor, preencha o formulário abaixo. Pedimos apenas que cuide da escrita e não escreva nada ofensivo.

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório, mas não divulgado)

Mensagem

Cartão e Crédito RSS

Cartão e Crédito em seu e-mail!

Cadastre-se e fique atualizado sobre os cartões de crédito.

Fechar Cartão e Crédito