Cartao de Credito

Como Investir na Compra de Ouro

O mercado financeiro de todo o mundo tem passado por mudanças devido a modernização. Na década de 90, por exemplo, o comércio de ouro sofreu uma desvalorização alarmante, mas atualmente, o metal voltou a ser vendido em grande escala, após a retomada em seu valor comercial.

De volta ao radar dos investidores e sem qualquer ingerência governamental, o ouro segue como patrimônio intocável. Isso porque, ele ainda é considerado o melhor negócio para se prevenir das oscilações de câmbio e das bruscas mudanças no mercado financeiro.

O investimento no metal tem avançado, também, por ser assegurado de penalizações, esperas e condições adicionais, o que acontece com muita frequência em outras modalidades de investimento.

A descoberta do ouro como moeda vem aumentando em economias emergentes. Ao passo que a China trabalhou na flexibilização da legislação vigente em favor do mercado de compra e venda do metal. Não obstante, a Índia – que lidera índices mundiais, devido ao seu crescimento populacional e ao reconhecimento do seu potencial econômico, por todo o mundo – também, trabalha com a possibilidade de investir no metal como carro chefe de sua economia.

Onde e como comprar Ouro

Existem pelo menos cinco maneiras bem comuns de adquirir ouro para construção de patrimônio ou reserva de valor.

Investimento em Ouro

Investimento em Ouro

B3 (BM&F – Bovespa): Se o comprador optar por negociar diretamente com a Bolsa de Valores do Brasil (BM&F – Bovespa), ele só terá a opção de adquiri lotes mínimos, de 250 gramas de ouro, por vez – o que equivale a 20,000 reais. Sendo assim, é necessária uma grande reserva de dinheiro em conta bancária, para dar início as transações.

Mercado balcão: É um mercado em que são negociados os mais diversos títulos de valores mobiliários que não possuem autorização para serem negociados na Bolsa de Valores. Nessa modalidade é possível comprar de 1 grama a 1 quilo de ouro. Há, entretanto, uma restrição de R$10 mil reais em compras, o que é uma regra para evitar a lavagem de dinheiro.

Quem opta pelo mercado de balcão pode fazer o pagamento tanto através de boleto quanto através de depósito bancário. Para realizar esse tipo de compra, é necessário buscar por corretoras de valores que trabalhem como essa modalidade de negócio.

Fundos de Investimento: Outra alternativa muito comum em bancos e pequenas corretoras é investir em ouro através de um fundo de investimento que investe no metal precioso. Neste caso, você não detém diretamente o ouro, mas terá seu patrimônio oscilando de acordo com a moeda.

Mercado Informal: Outra forma para fazer a compra do ouro, que tem atraído pessoas de classe média, são os negócios feitos no mercado informal. Apesar da falta de comprovação da veracidade dos materiais adquiridos é possível menores quantidades do metal por preços mais acessíveis.

Nessa modalidade o ouro é comercializado em várias formas e os vendedores são muitas vezes atraídos por vendedores ambulantes. Devido a informalidade, o valor de compra das peças em ouro é muito reduzido. Ao passo que a venda, corre a preços absurdos.

Joias: O comércio de joias é outra oportunidade de comercialização do ouro. Apesar da valorização do metal, muitas vezes esse comércio também é regado pela combinação do ouro com pedras preciosas e  material orgânico. Sendo assim, existe maior valor atribuído.

Entretanto, o trabalho do joalheiro, que é incluído no valor final da joia não pode ser repassado para um outro comprador. Além disso, a veracidade das joias nesse mercado é de procedência duvidosa, já que outros fatores dificultam sua autenticação. É um mercado valioso e de inúmeros adeptos apesar de todas as adversidades.

Os riscos do investimento do ouro

Um dos maiores riscos do investimento no ouro é a sua cotação que varia diariamente em todo o mundo. Você pode perder ou ganhar dinheiro de acordo com a volatilidade do mercado. Tudo depende do apetite dos investidores.

Além disso, há o risco de armazenagem que podem ser evitados com a contratação de um serviço de custódia na própria Bolsa de Valores ou em algum banco. É importante ressaltar que além da armazenagem, outro fator importante é o transporte. Tanto das barras de ouro, quando adquiridas, quanto das joias a serem negociadas para assim manter os bens em bom estado de conservação e com boa rotatividade no mercado.

Por fim, lembre-se que, no longo prazo, o ouro não é um bom investimento. Ele perde em rentabilidade para bolsa de valores, títulos etc. Isso porque ele é uma boa fonte de segurança e não um ativo que pode ser valorizado como uma empresa.



Não encontrou o que procurava?

Custom Search

Deixe um comentário!

Se você gostou do post, ou não, mas tem algo a comentar, por favor, preencha o formulário abaixo. Pedimos apenas que cuide da escrita e não escreva nada ofensivo.

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório, mas não divulgado)

Mensagem

Cartão e Crédito RSS

Cartão e Crédito em seu e-mail!

Cadastre-se e fique atualizado sobre os cartões de crédito.

Fechar Cartão e Crédito